As marcas psíquicas do racismo – a potência negada

Quais as consequências do racismo para o psiquismo do negro brasileiro? O texto aborda algumas das consequências do racismo para a saúde mental da população preta brasileira, apontando algumas das possíveis marcas deixadas pelo passado colonial nos corpos em diáspora.

Por Myllena Santos

Muito se fala das formas de luta e resistência do povo preto brasileiro frente ao racismo estrutural e cotidiano. Entretanto, onde fica o espaço para falar-se das potências, fragilidades e luto? A resistência, sempre imposta a esses corpos, os coloca num lugar que tudo suporta, o desumano, e esse é mais um dos mecanismos que aliena e fragiliza o ego da comunidade preta. Fadados à luta constante por sobrevivência, ficam sem a possibilidade, muitas vezes, de ter uma infância e adolescência adequadas para o seu desenvolvimento. Os índices de trabalho infantil, abusos, negligência, violência e mortalidade têm uma cor, é preta. Além disso, na maioria das vezes, esses problemas incidem mais sobre a população pobre. Histórias como a de Madalena, que fora colocada numa situação análoga a escravidão aos 8 anos de idade, e as de Miguel e Ágatha, que tiveram suas vidas roubadas, tornam-se cotidianas.

Esse lugar violento, que é imposto ao negro, o faz buscar um ideal de “eu” mais claro, mais próximo da humanidade que lhe foi roubada, da branquidade. Neuza Santos Souza coloca que a busca constante desse lugar faz o sujeito vivenciar situações e manifestar comportamentos e pensamentos racistas, num movimento de auto ódio constante. As formas de agir e falar, os cabelos alisados, a tentativa constante de ser o melhor em algo, são formas comuns praticadas por alguns sujeitos, podendo fazer parte de um movimento constante de tentativa de pertencimento ao mundo branco. O referencial foi aniquilado, passando assim a identificar-se com o colonizador. E aqui dá-se um dos motivos para a não percepção da violência sofrida, ou para o fato de compreendê-la de forma tardia. Como suportar que o meu corpo não é considerado humano?

Parece uma pergunta boba, tosca e de aparente simples solução. Porém, de uma perspectiva psíquica, é aqui que o “eu” se desmorona. Não há como alcançar a humanidade quando esta possui uma cor específica. Os traumas gerados ao logo da vida podem causar grande ansiedade, baixa autoestima, raiva, depressão e outros transtornos psíquicos. bell hooks, em “Vivendo de amor”, apresenta-nos algumas reflexões sobre a influência do período de escravidão para a vida emocional dos sujeitos em diáspora. O embotamento afetivo tornou-se um mecanismo de defesa poderoso para a sobrevivência, assim como o silêncio, bem como para a perpetuação e o enraizamento dos mitos de uma negritude única no imaginário brasileiro.

Tais mecanismos ainda permanecem em nossa sociedade, extremamente vivos, criando novas formas de manifestação. Seja pelos silenciamentos de pessoas negras, seja fazendo com que elas constantemente eduquem a branquitude, bem como as sexualizando e negando a elas o espaço para a potência e o luto. As implicações do racismo para a saúde mental da população preta são avassaladoras, deixando marcas muitas vezes irreversíveis. Veja bem: é preciso criar estratégias, pois aparentemente tem-se esquecido das possibilidades de potência, já que a violência vivida pelos corpos é algo que parece comover e mover mais.

Entretanto, é possível se pensar em uma narrativa “para além da dor”, como diria hooks, fortalecendo-se o ego, que antes se constituía na busca de uma idealização branca, mas, com o aquilombamento, pode criar para si, como postula o psicólogo Lucas Veiga, um corpo descolonizado. Um corpo que sabe que suas raízes não têm início na escravidão, que se permite ser frágil, que se permite vivenciar as emoções e lidar com elas. Um corpo que sabe que ter o que foi negado pode ser fortalecedor. O aquilombamento e a busca pela ancestralidade podem ser passos importantes para a saúde mental da população preta, assim como uma alimentação saudável, prática de exercícios e o bom e velho hábito de tomar sol. Procurar um profissional, quando possível, também é crucial, pois as maiores formas de resistência, às vezes, são o autocuidado e a existência .

 

 

 

Deixar uma resposta